Parque Nacional dos Lagos de Plitvice

postado em: Croácia | 3

Um dos principais destinos na Croácia é o Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Inaugurado em 1949 e declarado patrimônio da humanidade em 1979 o parque ocupa mais de 20 mil hectares na Croácia Central, próximo à fronteira com a Bósnia e Herzegovina.

Parque Nacional dos Lagos de Plitvice

Por ser tão grande é impossível ver tudo em um dia. Existem diversas rotas com diferentes níveis de dificuldade e tempo necessário para completá-las. Apesar das várias opções escolher uma rota não deve ser motivo pra preocupação, praticamente todo o parque tem vistas impressionantes e mesmo que você vá várias vezes pela mesma rota os lagos estão sempre mudando pela atividade dos organismos e minerais. Você nunca vai ver as mesmas cores (que são incríveis) e até as cascatas vão mudando com o tempo.

Parque Nacional dos Lagos de Plitvice

Chegar ao parque é relativamente fácil. De Zagreb e Zadar existem várias opções de tours diários por aproximadamente 200 kunas (ida e volta). A viagem é de um pouco mais de duas horas e se você está indo de Zagreb para Zadar ou Split (ou o contrário) pode pegar o ônibus nas rodoviárias para o parque e deixar suas bagagens lá. Eles tem uma sala para guardar as malas de graça, porém que qualquer um pega a chave e entra lá, então não é seguro. Você pode pedir uma chave para os lockers que também são de graça e guardar suas coisas de valor lá, essa chave fica só com você. Confira os horários de ônibus (Para o parque a estação é “Plitvice Lakes”).

Parque Nacional dos Lagos de Plitvice

A entrada do parque para adultos em maio foi 110 kunas, 80 para estudantes. O ingresso para dois dias é 180 kunas. De novembro a março os preços caem pela metade já que o barco e o trem dentro do parque (gratuitos) não funcionam. De julho a agosto o preço para adultos passa para 180 kunas e a quantidade de pessoas nos lagos aumenta na mesma proporção. Mais informações sobre preços.

Parque Nacional dos Lagos de Plitvice

Apesar de ser bastante impressionante para a maioria das pessoas um dia é suficiente. Se você quiser passar longos períodos fotografando ou estiver interessado nas trilhas mais longas existem alguns hotéis próximos, mas esses cobram o preço pela localização privilegiada.

Compartilhe este post:
Share on Facebook2Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Share on Tumblr0Share on StumbleUpon0Email this to someone
Seguir Rodrigo Belasquem:

Depois de algumas curtas viagens pela América do Sul achou que 10 dias não eram suficientes para conhecer muita coisa. Largou o emprego e viaja pelo mundo conhecendo lugares, pessoas e fotografando nas horas vagas (que são todas).

3 Respostas

  1. Oi Rodrigo,

    Demais seu blog, cara. parabéns!

    Estou planejando uma viagem para o leste europeu em setembro desse ano e nas minhas pesquisas, acabei encontrando seu blog, que tem me auxiliado bastante. Mas tenho algumas dúvidas práticas e gostaria de saber se vc teria como me ajudar!!

    Serão 25 dias entre Republica Tcheca, Hungria, Eslovênia, Croácia e Bósnia. E as maiores dúvidas são as seguintes:

    Seguro Viagem: Croácia e Bósnia não fazem parte do Acordo de Schengen, certo? Isso implica na hora da contratação do seguro viagem?

    Moeda: Como cada país adota uma moeda diferente, a ideia e trocar um valor x de euros já na chegada de cada cidade pela moeda local ou ir trocando aos poucos, ao longo dos dias?

    Entre Praga e Budapeste, a ideia é passar um dia em Viena. Sim, sei que a cidade merece muito mais do que isso, mas nesse momento vai ser um passeio consciente de que não vamos aproveitar nem 10% que o lugar tem para oferecer. O objetivo é fazer o roteiro de um filme, o que dá pra fazer em 1 dia tranquilamente. Mas a grande dúvida é o seguinte: No roteiro da Republica Checa, temos 1 dia (bate e volta) dedicado para Cesky Krumlov. Mantenho o bate e volta ou pernoito um dia em Cesky e sigo no dia seguinte para Viena? Vi em alguns lugares que essa opção seria possível, mas nada muito claro.

    Eslovênia: Estou dedicando 2 dias para Liubliana e 1 para Bled. Outra ideia era ir a Postjona, mas pelo que li achei as entradas caras. hahaha Acha que é uma atração imperdível?

    Zagreb – Lagos Plitvice: Inicialmente são dois dias dedicados para Zagreb, sendo 1 para conhecer a cidade e o outro para servir de ponto fixo para um bate-volta aos lagos Plitvice, sendo que a ideia é quando chegar em Zagreb no fim do dia (retornando dos Lagos) já emendar em uma viagem noturna para Dubrovnik. Não estou mt confortável com essa ideia por achar que pode ser mt cansativo. Outra opção seria ir de mala e cuia para os lagos, e de lá seguir para Dubrovnik, mas não encontrei nada dizendo que esse trajeto fosse possível. Você saberia me dizer?

    Croácia – Bósnia: A terceira e última grande dúvida no roteiro é em relação a viagem da Croácia para Bósnia. (A ideia é sair de manhã de Dubrovnik e seguir para Mostar, ficar 2 dias e depois pegar um trem de manhã par Saravejo, onde encerro a viagem.) Mas a questão é: parace que para entrar em Dubrovnik passa pela Bósnia, certo? A imigração é tranquila?

    Acho que as maiores dúvidas são essas. Os demais trajetos ficaram o seguinte

    Budapeste – Liubliana (viagem noturna de bus)
    Liubliana – Zagreb (sair pela manhã de bus)
    Dubrovnik – Mostar (sair pela manhã de bus)
    Mostar- saravejo (sair pela manhã de trem)

    E, claro, caso tenha dicas úteis de alguns desses lugares, como restaurante bacana e barato, casas de câmbio, dicas de transporte público ou então simplesmente aquele lugar incrível que normalmente não está nas tradicionais rotas turísticas, agradeço muuuittooo!!!

    • Opa, Ciro!

      Que post esse seu comentário, hein?! haha! Assim que eu gosto.

      Sobre o seguro viagem, em geral não faz diferença. Eu contratei com a World Nomads e é só você colocar a região. Eu coloquei Europa, Ásia e África. Desde que você não vá para os EUA fica o mesmo preço. Pode ser que outras empresas tenham alguma limitação, mas em geral creio que não. Tem um post aqui no Blog sobre seguro viagem se você quiser tirar mais dúvidas.

      Em geral na chegada (aeroporto, estação de trem, etc) você vai pagar mais caro. Então troque o mínimo para se virar nas primeiras horas e depois pergunte no seu hotel/hostel onde tem a melhor cotação. Só não vá passar muito trabalho pra isso, come exceção dos aeroportos a maioria dos lugares não tem uma cotação tão diferente que vá ser impactante para quem não vai ficar por muitos dias. Fora isso eu gosto de ir trocando aos poucos para não ficar com dinheiro demais no final e ter que fazer mais um câmbio.

      Apesar de parecer contraintuitivo, já que seria caminho, acho melhor voltar para Praga. Cesky Krumlov não tem nenhuma rota direta e vocês precisariam fazer umas conexões. O que levaria mais tempo do que ir de Praga. Então a menos que você vá de carro para Viena, volte para Praga. Você pode simular as rotas no Rome2Rio.com

      Sobre Postjona, não conheci. Mas acho que se é caro e você está em dúvida é melhor colocar este dia em algo que você com certeza quer ver.

      Você pode ir de mala e cuia e pegar o ônibus às 17 ou 17:20 para Zadar. Tem um ônibus que sai de Zadar às 22:45 e chega em Dubrovnik às 05:45. Esse trajeto vai ser cansativo de qualquer jeito e menos que você pare em Split para passar a noite.

      Eu fui para Dubrovnik de ferry, então só passei pela imigração quando cheguei na Bósnia. De qualquer maneira pode ficar tranquilo, nessa região imigração não dá problema. Pode estar um pouco mais chato agora por todos os problemas recentes, mas nada que vá atrapalhar sua viagem.

      Sobre Dubrovnik você pode aprender pegar muitas dicas no site da Natasa http://www.dubrovnikemportugues.com/ Se você quiser ser guiado lá pode falar com ela. Eu entrei nas muralhas primeiro sozinho e depois com ela, só na segunda vez eu percebi quanta coisa eu perdi. Mesmo que você não queira o site é cheio de dicas e ela está sempre disposta a ajudar.

      No mais fico à disposição.

      Abraço! 🙂

  2. […] ← Parque Nacional dos Lagos de Plitvice […]

Deixe uma resposta