Langenleuba-Oberhain

postado em: Alemanha | 4

Quando eu saí do Brasil há 21 dias eu só tinha certeza de onde iria dormir no fim de semana, todo o resto seria decidido à medida que as coisas fossem surgindo. Eu até tinha algumas ideias de caminhos que eu poderia seguir, mas em nenhuma delas eu considerava estar em Langenleuba-Oberhain agora, principalmente porque eu nunca tinha ouvido falar nesse lugar.

Entardecer em Langenleuba-Oberhain
Entardecer em Langenleuba-Oberhain

Langenleuba-Oberhain não é nem uma cidade, é uma vila de pouco mais de mil habitantes na Saxônia, um dos estados da Alemanha. O lugar todo é literalmente uma rua, o que tem de estrada paralela ou é a entrada da casa de alguém ou é uma saída pra rodovia.

Apesar de ser bastante interessante pra quem é de fora, a região sofre por conta do seu passado socialista. Depois da Segunda Guerra o território da Saxônia ficou em poder da União Soviética e mesmo tendo a reunificação da Alemanha acontecido há quase 25 anos, as diferenças entre os extintos lados oriental e ocidental ainda são evidentes.

Comparacao entre a rend atual e a antiga divisao oriental e ocidental
Comparação entre a renda atual e a antiga divisão oriental e ocidental (2012)

O mapa da esquerda mostra a renda per capita na Alemanha no ano de 2012, o mapa da direita mostra a antiga divisão até 1990 com o lado soviético em amarelo. Apesar de tudo isso ser um só país há mais de duas décadas é clara a diferença de renda atual da região que viveu sob o regime socialista por 40 anos.

É bastante comum ver por aqui casas caindo aos pedaços e eu já passei por uma infinidade de ferrovias completamente abandonadas. Na cidade (grande) mais próxima daqui um enorme busto de Karl Marx observa o progresso em um lugar que já se chamou “Karl-Marx-Stadt (literalmente Cidade Karl Marx).

 

Busto de Karl Marx na cidade que levava seu nome.
Busto de Karl Marx na cidade que tinha seu nome
Uma das várias estradas de ferro abandonadas
Uma das várias estradas de ferro abandonadas

 

Mas como eu vim parar aqui?

Depois de Frankfurt eu estava procurando por algum lugar que precisasse de voluntários. Um dos que encontrei era em uma pequena fazenda onde a dona criava cavalos da Islândia. Como “Cavalos da Islândia” soa muito legal eu resolvi vir.

Quando cheguei descobri que não era só a raça, alguns deles realmente vieram da Islândia. Esse branco da foto abaixo voou pra cá há quatro meses com uma passagem mais cara do que qualquer um de nós vai pagar.

Whoopie, Leo, eu e Elvis (eu sou o de jaqueta marrom)
Whoopie, Leo, eu e Elvis (eu sou o de jaqueta marrom)

E aí você está pensando “o que tem de tão legal em um cavalo pra trazer ele da Islândia pra Alemanha?”. Infelizmente eu não tenho a resposta porque não entendo nada de cavalos. Eles realmente são muito legais, mas a única coisa que eu posso garantir é que a bosta que eles produzem é exatamente igual a dos nossos. E cá entre nós, é MUITA bosta.

Eu trabalho aqui algumas horas do dia em troca de um quarto pra ficar, comida e muitas vezes cerveja depois do trabalho. Em geral o trabalho é alimentar os cavalos, consertar ou construir alguma cerca, treinar o Elvis pra acostumar com a sela e, claro, bosta.

Elvis avaliando fotos no Instagram
Elvis surpreso com as fotos no Instagram

O trabalho é tranquilo e a vida aqui é mansa, mas como não estou viajando pra ficar parado provavelmente parto semana que vem para Republica Checa e aí deve ter um pouco mais de ação (desde que não seja furto de novo) e fotos se eu conseguir um notebook até lá.

Pra quem se interessou pelos trabalhos voluntários o site que eu uso é o workaway.info, mas existem vários com o mesmo propósito.

Compartilhe este post:
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+1Pin on Pinterest0Share on Tumblr0Share on StumbleUpon0Email this to someone
Seguir Rodrigo Belasquem:

Depois de algumas curtas viagens pela América do Sul achou que 10 dias não eram suficientes para conhecer muita coisa. Largou o emprego e viaja pelo mundo conhecendo lugares, pessoas e fotografando nas horas vagas (que são todas).

4 Respostas

  1. Olá , sou a mãe de seu amigo João Rafael, antes quero te parebenizar pela coragem e espirito solidariedade, um aventureiro NATO é o que és!! Adorando as fotos e textos , vamos lá e que bons. Entos o levem … Já estou te seguindo!!

  2. Muito bom! Vou acompanhar o blog daqui pra frente.
    Obs: fiquei de cara com o furto.

Deixe uma resposta