Quanto custa viajar? Todos os meus gastos detalhados dia a dia.

postado em: Planejamento | 7

Se você está planejando seu mochilão e não tem ideia de quanto custa viajar por cada país este post deve te ajudar. Desde o começo da minha viagem absolutamente tudo que eu gasto é anotado e posteriormente inserido nesta planilha. O objetivo é que outros viajantes possam ter ideia dos custos do dia dia e das médias de gastos em cada país.

 

Planilha de controle - Disponível nesse post.
Planilha de controle – Disponível nesse post.

Obviamente o nível de conforto, época em que viaja, se está em grupo ou sozinho e vários outros fatores vão influenciar sua média. O objetivo aqui não é chegar em um valor definitivo por país, mas sim dar uma ideia dos gastos do dia a dia e aplicar o que for possível na elaboração do seu próprio orçamento.

 

Algumas definições:

Todos os valores são inseridos em moeda local e convertidos para o dólar. Optei por essa moeda por ser mais estável, o que deve permitir uma maior confiabilidade no longo prazo. Eu “travo” o valor do dólar, portanto se a relação dólar/Kuna se alterar depois do custo ser inserido o valor em dólar na planilha não vai mudar, sempre será o valor do dólar do dia do lançamento (ou próximo).

 

Todos os itens estão em categorias classificadas da seguinte maneira:

  • Alimentação: toda comida seja em restaurantes, lanches, carne de cachorro na rua ou um café. Comida em supermercado também está incluída. Outros itens de supermercados também entrarão aqui por conveniência, como quando compro um shampoo ou desodorante com a comida. Se comprar cerveja em supermercados também vai estar neste item.
  • Atrações: Entradas de museus, ingressos, tours, etc.
  • Hospedagem: Custos com hostel/hotel.
  • Diversão: Bar, baladas, bebidas alcoólicas em geral quando não ligadas à uma refeição.
  • Vistos: custos relacionados à obtenção de vistos.
  • Transporte (local): todos os custos de transporte em uma determinada cidade como metrô, ônibus, aluguel de moto ou bicicleta, táxi, jumento, monociclo, etc.
  • Transporte (viagem): transporte entre diferentes cidades. Transporte entre duas cidades do mesmo país terá seu custo atribuído ao país. Entre dois países o custo ficara apenas atribuído à categoria. A ideia é que esses valores não devem entrar na média já que cada viajante vem de um lugar diferente, portanto os custos serão muito discrepantes.
  • Diversos: itens que não se enquadram nas demais categorias.
  • Extras: itens não ligados à viagem ou custos ligados à algum imprevisto que não entra nas demais categorias. Exemplo: compra de uma nova lente para a câmera.

 

Para não influenciar a média foram excluídos todos os dias que fiquei em Hvar trabalhando como voluntário. Nesse período não gastei nada e isso jogaria muito a média para baixo. Na planilha foram descontados os 77 dias para fazer a média geral.

 

Na planilha abaixo podem ser vistos os gastos totais por país, dias totais de estadia e a média diária. Se o detalhamento das categorias estiver em amarelo este item foi influenciado por algum fator (ver na coluna “observações”).

Alguns itens não estarão na média do país, como passagens internacionais e gastos não relacionados à viagem, por exemplo. Em caso de dúvidas veja o detalhamento diário.

 

Esta planilha contém todos os gastos dia a dia por país e cidade.

 

Se você encontrar algum erro, tiver alguma sugestão ou se quiser dar um alô se a planilha foi útil deixe um comentário. 🙂

 

 

 

 

Tudo sobre Seguro Viagem

postado em: Viagem | 10

Quando eu comecei minha viagem de volta ao mundo imaginei que alguns imprevistos aconteceriam, porém a última coisa que eu esperava era que levassem meu laptop, passaporte e dinheiro logo na Alemanha, que em geral é um país muito seguro. Mas aconteceu.

Ninguém planeja pegar dengue, cair na água com a câmera nova ou perder um vôo porque um vulcão resolveu entrar em erupção justo dia que você ia para aquela praia paradisíaca. Infelizmente essas coisas vão acontecer com algumas pessoas e o resultado pode ser desde de perder alguns dias de diversão até um rombo na sua conta quando se fala de despesas médicas por exemplo. Ter um seguro viagem é a melhor maneira de reduzir os danos caso algum problema aconteça e nesse post vou dar algumas dicas sobre o que prestar atenção na hora de fazer o seu para não ter mais dor de cabeça quando precisar utilizá-lo.

O que é seguro viagem?

Seguro Viagem é um tipo de seguro que cobre despesas médicas, cancelamentos de viagem, perda de bagagem, acidente aéreo, roubos e outras emergências em viagem internacional ou no seu próprio país. Preços podem mudar radicalmente de uma empresa para outra e as diferenças em geral são os valores cobertos e exclusões. Exemplo: Uma apólice mais barata pode cobrir até 50 dólares para emergências odontológicas, enquanto outra pode cobrir 300 dólares na mesma situação.

 

Por que eu preciso fazer um seguro viagem?

Porque você não pode prever o que vai acontecer, especialmente com relação à saúde. Eu viajo com câmera, algumas lentes, laptop e outros eletrônicos que me trariam um grande prejuízo caso eu os perca, mas esse é um prejuízo mensurável. Eu nunca vou perder mais do que o valor que paguei por eles. Já com emergências médicas não há limites para o quanto você pode ter que desembolsar.

Conheci muita gente viajando que precisou de cuidados médicos. Vários acidentes de moto e bicicleta, intoxicação alimentar, dengue e mais recentemente uma simples mordida de macaco que custou 1.700 dólares em vacinas. Se você precisar de uma ambulância e internação os custos podem te mandar pra casa com algumas dívidas.

Para ter uma ideia estes são os preços médios de 24 horas de tratamento médico em alguns países de acordo com a federação internacional de planos de saúde: Argentina $429, África do Sul $665, França $853, Nova Zelândia, $979, Austrália $1,472, USA $4,287.

Além disso alguns países exigem que você tenha um seguro. O exemplo mais comum são os países da área Schengen (boa parte da Europa) que cobram seguro com cobertura médica de pelo menos 30 mil euros e que cubra expatriação e emergências médicas.

 

Tenho que tomar algum cuidado na hora de fazer o meu seguro?

Vários! Principalmente com as letrinhas miúdas, que são muitas. Todas as empresas tem contratos cheios de exclusões e muita gente só descobre elas quando tenta receber alguma coisa. Tente não contratar o seguro de última hora para ter tempo de ler pelo menos os principais itens. Compare diferentes empresas para ver qual oferece as melhores condições para os itens que são mais importantes para você.

 

Quais os principais itens que eu devo observar?

Acidentes e cobertura médica

Mesmo que você não esteja viajando para a Europa utilizar as exigências de um seguro Schengen são um bom ponto de partida. Evite seguros que cubram menos do que 30 mil euros para emergência médica. Pode parecer muito, mas imagine quanto custa dar um jeito na sua perna quebrada na Noruega por exemplo.

Esportes

Se você vai praticar esportes durante a viagem leia bem esta parte pois cada seguradora trata eles de maneira diferente. Algumas não vão cobrir sua queda de um cavalo, outras podem cobrir mergulho com cilindro e salto de paraquedas se você pagar um adicional.

Condições preexistentes

Verifique qual a política da sua seguradora para condições de saúde prévias a sua viagem. Em geral qualquer problema relacionado à doenças que você já tinha não serão cobertas.

 

O que normalmente está coberto e o que não está?

Atrasos e cancelamentos de voo normalmente estão cobertos, mas se você pegou uma empresa pequena que cancelou os voos por problemas financeiros você só conseguirá receber alguma coisa se ela declarar falência.

Roubos em geral são cobertos, furtos nem sempre. Se alguém quebrar o vidro do seu carro para pegar uma bolsa o seguro cobre, se você estiver andando no centro de Paris e puxarem o celular do seu bolso sem você ver o seguro não cobre.

Se você se acidentar de moto na Tailândia e não tiver carteira de motorista é bem provável que você não vai receber nada da seguradora.

Se por problemas de segurança você precisar ser removido do país a seguradora deve providenciar tudo. Isso inclui desde desastres naturais até conflitos.

Caso algum parente próximo venha a falecer o seguro deve pagar suas despesas para voltar ao país e tudo que você já pagou e não pode cancelar (voos, hotéis, ingressos, etc).

O seguro não vai cobrir nenhum acidente resultado do uso de álcool e drogas ou qualquer coisa que não seja sensata. Tentar tirar selfies com um hipopótamo na Tanzânia, por exemplo, não é uma boa ideia.

Novamente, leia tudo com atenção porque nada é tão simples assim com seguradoras. A principal causa de reclamação são detalhes como a pessoa achar que estava coberta pela perda de bagagem só para receber uma resposta dizendo que tem uma cláusula no contrato excluindo o pagamento se a mala for perdida em um sábado de lua cheia.

 

Como evitar as dores de cabeça se eu precisar usar o seguro?

Tenha cópias das notas fiscais de todos os seus eletrônicos e outros itens que você pode querer reclamar (você pode tirar uma foto e enviar para o seu e-mail para não ter que carregar papéis).

Guarde os comprovantes de passagem e se possível de saques/câmbio. Eles serão úteis para comprovar lugares que você esteve e dinheiro que você tinha.

Fotografias das suas malas, seus documentos e até de você mesmo (em caso de problemas de saúde) ajudam caso você precise solicitar algum pagamento.

Em suma quanto mais evidências melhor. Pode ser que a nota fiscal do seu laptop não esteja em seu nome, mas fotos de você com ele definitivamente vão ajudar a convencer quem está analisando seu caso de que é realmente algo que era seu.

Qual empresa contratar?

Escolher a melhor empresa é muito difícil, elas sempre pagam comissão pelas indicações (inclusive para este blog) e quando você pesquisa é impossível saber se aquela é realmente a melhor ou a recomendação é só para fazer dinheiro.

Até decidir fazer uma viagem de volta ao mundo eu não me preocupava tanto com qual empresa utilizar. Mas agora seria por um longo período, então além das chances de algo acontecer serem maiores no longo prazo os custos também seriam altos. Li bastante sobre isso e vi que a maioria das pessoas recomenda a World Nomads.

Fiz meu seguro com eles e [infelizmente] pude testá-lo já na segunda semana de viagem, quando roubaram minhas coisas no hostel que eu estava. Liguei para o número de emergência deles logo depois de perceber que tinham levado meu laptop e a atendente me deu as instruções sobre o que fazer. Recebi o reembolso pelo meu laptop, dinheiro e o custo do meu novo passaporte, de acordo com a apólice, cerca de um mês depois.

Eu recomendo a World Nomads porque eles têm um preço muito bom pela cobertura extensiva que oferecem e, pela minha experiência, o processo de solicitação de reembolso e pagamento é tranquilo.

A World Nomads também permite que você faça o seguro mesmo que já tenha iniciado a viagem. O que é bastante útil se você estendeu sua viagem e precisa também estender o seguro ou se não sabe exatamente qual será a duração da viagem. Eu fiz o seguro por 6 meses e renovei por mais 6 meses enquanto estava na Europa.

Se você quiser fazer uma cotação pode usar o formulário abaixo. Eu ganho uma pequena comissão se o seguro for feito por aqui, mas fique à vontade para fazer pelo próprio site da World Nomads. Minha recomendação é de fato pelo serviço que eles oferecem e não pelos dólares 🙂

 

E se eu quiser seguro para viajar no Brasil?

Eu nunca fiz seguro no Brasil porque meu plano de saúde cobriria o básico, mas nesse caso minha sugestão seria a Mondial que eu sempre usei antes para viagens internacionais.

Meu cartão de crédito oferece seguro viagem. É a mesma coisa?

Normalmente sim, e o melhor é que é de graça. Fique atento para ver se o seu cartão cobre despesas médicas já que alguns só cobrem acidentes. Em geral cartões Visa e Mastercard platinum ou superior cobrem despesas médicas se você comprar as passagens integralmente com um deles. Alguns cartões American Express fornecem o seguro mesmo que você tenha comprado as passagens com outro cartão. O seguro destes cartões atendem às exigências dos países da área Schengen, portanto basta você imprimir o certificado e apresentar na imigração caso solicitem. Em geral os cartões limitam o seguro a até dois meses, se você for viajar por um período maior pode contratar seu seguro com outra empresa ao fim do prazo coberto pelo cartão.

As regras variam de acordo com cada bandeira e a cobertura costuma ser menos abrangente do que um seguro independente, porém pelo custo zero essa é uma excelente opção para economizar. Se você for contratar um seguro porque quer cobertura para esportes radicais ou contra roubos por exemplo, solicite a apólice do cartão do mesmo jeito. É sempre bom ter um plano B.

Mais dicas

Evite usar os seguros que oferecem quando você compra passagens áreas, em geral (nunca vi exceção) eles são muito caros pela cobertura superficial que oferecem.

Leia bem seu contrato. É muito chato, mas é necessário.

Guarde cópias das notas fiscais do que estiver levando com você.

Tenha cópias do número da apólice e telefone da seguradora em diferentes malas durante a viagem.

 

Tem dicas ou dúvidas sobre Seguro Viagem? Escreva nos comentários para que possamos melhorar este artigo.

Supermercado é pra comprar comida

postado em: Montenegro | 6

Montenegro seria o destino depois da Bósnia e uma das principais atrações desse país é o Parque Nacional Durmitor, uma cadeia de montanhas com picos de até 2.522 metros, onde eu tentei acampar com uma barraca de supermercado. Preciso dizer que não deu certo?

Crno Jezero - O Lago Negro na entrada do Parque.
Crno Jezero – O Lago Negro na entrada do Parque.

Conteúdo

Sarajevo

postado em: Bósnia | 6

No trem de Mostar para Sarajevo o belga que estava viajando comigo tinha uma pergunta para dois locais sentados na nossa frente:

—Ouvi dizer que aqui pode fumar nos trens, é verdade?

—É sim, pode fumar.

—Mas tem uma placa ali dizendo “Proibido fumar”.

—É, mas pode fumar.

—Então vou ali na janela acender um cigarro.

—Pode ficar aí mesmo. Aqui é a Bósnia, ninguém se importa.

Ninguém se importou.

 

Ponte Latina
Ponte Latina

Sarajevo tem muita história para contar, mas foi na Ponte Latina que um dos eventos mais importantes da Europa e do mundo aconteceu. Foi logo no final desta ponte que em 28 de junho de 1914 o Arquiduque Franz Ferdinand foi assassinado, fato que desencadeou a primeira guerra mundial.

Vários terroristas estavam em diferentes pontos durante um desfile do arquiduque armados com bombas e pistolas aguardando a oportunidade. O primeiro armado com uma bomba não agiu, o segundo com uma pistola e uma bomba também não. O terceiro jogou sua bomba, mas ela bateu na capota do carro e atingiu o veículo que vinha logo atrás. Tomando conhecimento do que estava acontecendo a comitiva foi imediatamente para a câmara municipal.

Parecia estar tudo bem até o momento em que eles deixaram a câmara e o motorista do arquiduque, desconhecendo a cidade, tomou o caminho errado para o hospital da cidade que seria o destino seguinte. Enquanto o carro manobrava sobre a ponte Gavrilo Princip se aproximou com sua pistola e disparou contra Franz Ferdinand e sua esposa que morreram pouco depois.

Daí pra frente tudo foi muito rápido. O Império Austro-Húngaro pediu esclarecimentos do Reino da Sérvia (de onde eram os articuladores do assassinato) que se fez de besta, um ultimato desses, Alemanha apoia daqui, Rússia apoia de lá e um mês depois começaria a primeira guerra mundial.

 

Placa indicando o local de onde Gavrilo Princip efetuou os disparos que mataram o Arquiduque e sua esposa.
Placa indicando o local de onde Gavrilo Princip efetuou os disparos que mataram o Arquiduque e sua esposa.

 

O principal motivo de eu ter vindo para Sarajevo foi ver como as coisas estavam cerca de 20 anos depois do fim da Guerra que devastou o país ao longo de quase quatro anos. Achei que iria encontrar algo muito similar ao que vi em Mostar, mas parece que Sarajevo foi mais rápida na recuperação visual.

Sarajevo City Center.
Sarajevo City Center.

Enfatizo o visual porque a recuperação econômica e social ainda é lenta. Com boa parte da infraestrutura destruída na guerra e o desafio de transformar uma economia socialista em um mercado aberto a Bósnia tem uma taxa de desemprego de cerca de 43%. Nós, mesmo com a crise, estamos em torno de 9%.

Com tanta gente sem ocupação os cafés e as praças estão constantemente lotados. Mesmo assim o povo não está chateado ou depressivo, pelo contrário, quase todo mundo está animado o tempo todo. Provavelmente porque eles já passaram por tanta coisa que desemprego é um problema pequeno.

No meio da tarde de uma Terça-feira Gerard Depardieu bósnio e seus amigos jogam um xadrez gigante em Sarajevo. Olha a cara de preocupado com a vida.
No meio da tarde de uma Terça-feira Gerard Depardieu bósnio e seus amigos jogam um xadrez gigante em Sarajevo. Olha a cara de preocupado com a vida.

 

Durante a noite você caminha pelas ruas e vê alguém se aproximando. Seguindo o instinto brasileiro já fica imaginando se tem jeito de salvar pelo menos o celular escondendo em um bolso não tão óbvio, mas aqui isso é besteira. O que as pessoas aleatórias que chegam perto de você dia e noite querem é saber de onde você é, porque está em Sarajevo e se está gostando da cidade. Demorei um pouco para acostumar com isso que se repetiu em outros países. Há tão pouco tempo que essa região abriu suas portas para o mundo que as pessoas ainda são muito curiosas e ficam extremamente contentes em conversar com os turistas.

Taxa de desemprego dos pombos aparentemente beira os 100%.
Taxa de desemprego dos pombos aparentemente beira os 100%.

 

O clima não ajudou muito enquanto estive por lá, mas consegui caminhar um pouco pela cidade e ir até o Mercado Markale. Esta feira era ativa durante o cerco de Sarajevo e por muito tempo nada aconteceu com quem frequentava o lugar, o que foi dando mais e mais confiança para os locais de que aquele era um lugar seguro para encontrar outras pessoas. Tudo estava bem até 5 de fevereiro de 1994, quando um morteiro atingiu o mercado matando 68 pessoas e ferindo 144. 18 meses depois outro morteiro matou 43 pessoas e feriu 75. A cratera criada pelo morteiro ainda está lá protegida por um vidro, em volta dela o mercado continua funcionando normalmente.

Mercado Markale
Mercado Markale

Todo mundo adora cerveja, mas em Sarajevo eles têm mais um motivo para amar a marca local. Durante o cerco a cidade tudo era difícil, inclusive o mais básico: água. A salvação para muitos moradores foi a fábrica da Sarajevska que contava com um poço nas suas instalações e forneceu água para centenas de famílias durante a guerra.

Fábrica da Sarajevska.
Fábrica da Sarajevska.

 

No meu último dia em Sarajevo fui comprar uma barraca para acampar nas montanhas em Durmitor. E onde eu fui comprar minha barraca? No supermercado, claro. No próximo post eu vou explicar porque isso não é uma boa ideia e como eu fui de carona da Bósnia até Montenegro, uma boa ideia. Enquanto isso, quem souber o que é este dispositivo na cara desta senhora da foto abaixo por favor responda nos comentários.

Não é um bigode falso.
Não é um bigode falso.
1 2 3 4 5