Agora eu moro em uma ilha

postado em: Croácia | 5

Ainda na Croácia passei alguns dias em Split e já tinha desistido de ir para a ilha de Hvar por causa do mau tempo. Se não fosse a insistência do meu brother Pedro eu teria seguido para a Bósnia e nem sei onde estaria agora. No fim das contas vim para Hvar passar duas noites e acabei decidindo morar aqui por todo o verão.

Hvar
Hvar vista do forte

Quando cheguei em Hvar os dias de tempo ruim estavam passando, foi o primeiro fim de tarde de céu claro nos últimos 5 dias. A vista do primeiro pôr do sol aqui já me impressionou e eu comecei na hora a pensar que deveria passar mais tempo na ilha.

Barquinhos
Barquinhos

Hvar é uma das 718 ilhas do mar Adriático com 300 km2 de área, a principal cidade – também chamada Hvar – tem cerca de 4 mil habitantes, mas recebe aproximadamente 200 mil turistas no verão. Essa gente toda vem pra cá atraída por uma temporada com muitos dias de sol, mar com águas absurdamente transparentes e uma vida noturna muito animada.

Pokonji Dol
Pokonji Dol

Alugar um barco aqui é muito barato (um pouco mais de 30 reais por pessoa por um dia inteiro). Depois de passar um dia explorando as ilhas, mergulhando com uma visibilidade absurda e chegando na balada de barco no fim do dia, decidi que aqui era um lugar para passar mais tempo.

Alugar um barco é mais barato do que almoçar.
Alugar um barco é mais barato do que almoçar.

No dia seguinte usei mais uma vez o workaway.info para procurar um lugar que estivesse buscando voluntários aqui na ilha. Encontrei dois hostels interessados e depois de conversar com os proprietários decidi em qual eu queria ficar.

Meu trabalho é dar dicas para os hóspedes sobre as melhores praias, baladas e o que fazer no tempo livre. Faço isso das 10 às 13 e depois estou livre. Em troca o hostel aluga um flat que eu divido com outros dois voluntários e eu ganho um dinheiro para alimentação.

Barcões.
Barcões.

Em geral minha rotina é ir para o hostel de manhã e ficar no terraço conversando com o pessoal ou fazendo alguma coisa no computador até alguém aparecer. A maior parte do tempo é livre e depois disso eu vou pra casa almoçar e decidir o que fazer no resto do dia. Normalmente à tarde vou para a praia que fica a 5 minutos de casa – e por sorte é a mais bonita de Hvar – e volto para jantar e me preparar para a noite.

Não é uma piscina.
Não é uma piscina.

 

Achei que seria difícil aguentar festa todo dia, mas hoje já são 38 noites em sequência. A parte boa de trabalhar em um hostel é que muitas coisas são mais baratas ou de graça depois que as pessoas te conhecem. Posso beber de graça no principal bar da cidade e algumas vezes tiro fotos para eles, o que gera uma grana extra.

Kiva Bar - Toda noite estou aqui no meio
Kiva Bar – Toda noite aqui no meio

A melhor parte de tudo isso é a quantidade de pessoas que eu acabo conhecendo. No hostel temos geralmente 75 hóspedes que ficam em média 2 ou 3 noites, à noite conheço mais uma infinidade de pessoas, especialmente quando estou fotografando. A cada semana é tanta gente nova de países diferentes que é muito difícil lembrar quem é quem quando no outro dia alguém aparece dizendo “eeeei!”. Obviamente eu nunca mais vou ver a maioria delas, mas boa parte eu com certeza vou continuar conversando e algumas eu definitivamente vou reencontrar no futuro.

Galera que trabalha nos hostels da ilha.
Galera que trabalha nos hostels da ilha.

Não tenho dúvidas que esse vai ser o melhor verão da minha vida até agora. Não ganho dinheiro nenhum e me sinto muito feliz todos os dias. Hoje não tem absolutamente nada que eu gostaria de mudar na minha vida, tudo parece a coisa certa na hora certa.

 

Compartilhe este post:
Share on Facebook57Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Share on Tumblr0Share on StumbleUpon0Email this to someone
Seguir Rodrigo Belasquem:

Depois de algumas curtas viagens pela América do Sul achou que 10 dias não eram suficientes para conhecer muita coisa. Largou o emprego e viaja pelo mundo conhecendo lugares, pessoas e fotografando nas horas vagas (que são todas).

5 Respostas

  1. […] não influenciar a média foram excluídos todos os dias que fiquei em Hvar trabalhando como voluntário. Nesse período não gastei nada e isso jogaria muito a média para baixo. Na planilha foram […]

  2. Muito Legal o blog. Minha hora vai chegar. Em relação a idiomas, quais vc foi sabendo falar? Vc pode dizer uma média de qto vc gastou antes de fazer bicos e como vc conseguiu encontrar esses lugares para trabalhar?

    • Oi, Patrícia! Meu inglês já era bom o suficiente antes da viagem, também me comunico bem em espanhol e, no caso do hostel em Hvar, falar português também ajudou. Para trabalhos voluntários que não envolvem contato com clientes (em fazendas por exemplo) inglês intermediário costuma ser suficiente.
      Quantos aos gastos podem variar bastante dependendo do nível de conforto e de quanta coisa você quer fazer. No leste Europeu você encontra excelentes hostels por menos de 10 euros, em Amsterdam um hostel na cidade não sai menos de 25 euros e um bom vai ser em torno de 35 euros por dia.
      Minhas médias para os três primeiros países foram as seguintes:

      Holanda $276,13 7 $39,45
      Alemanha $603,60 19 $31,77
      Rep. Checa $471,48 18 $26,19
      Total | Dias | Média

      Na Holanda fiquei 3 dias na casa de uma amiga e consegui uma noite grátis em um hostel. Na Alemanha trabalhei 10 dias em uma fazenda. Na Rep. Checa trabalhei 10 dias em uma estação de trem. Com isso é difícil se basear na minha média. Eu diria que o ideal é você ver o preço de um hostel e multiplicar o valor por 3 para ter uma ideia de um total diário, é uma conta MUITO superficial, mas se você quer ter uma ideia é um ponto de partida.

      Sobre encontrar os lugares para trabalhar eu utilizei o http://www.workaway.info você pode fazer todas as buscas sem registrar, mas se quiser entrar em contato com hosts tem que fazer um registro de 2 anos (29 USD).

      Boa sorte 🙂

  3. Marcus Martins

    Parabéns cara. Aproveita bastante essa fase da sua vida, e só siga as ordens do seu coração. Isso prova que não precisamos de muito para sermos realmente felizes.

    • Obrigado, Marcus! Cada vez mais eu tenho certeza de que é isso mesmo, não só por mim mas por outras pessoas que também mudaram radicalmente suas rotinas e estão vivendo o melhor momento das suas vidas.

      Abraço!

Deixe uma resposta